Marcha das Mulheres Negras em São Paulo: Pelo Fim da Negligência e Violência do Estado! Homenagem do INSPIR às Mulheres Negras! “Mercado de trabalho desperdiça oportunidade por não dar as mesmas possibilidades para trabalhadores negros”, diz especialista Publicação INSPIR: 'A Negociação Coletiva de Cláusulas Relativas à Equidade Racial no Brasil' Racismo Faz Mal à Saude. Denuncie, Ligue 136! Campanha do INSPIR, ISP, CSA e SC-AFL-CIO para ratificação das Convenções A-68 e A-69 da OEA

Curso da CNM/CUT forma dirigentes para lutar pela igualdade e contra o racismo

Curso da CNM/CUT forma dirigentes para lutar pela igualdade e contra o racismo
O segundo módulo, previsto para novembro, debaterá a criação de um Coletivo Nacional
Terminou na última sexta-feira (30) o 1º Curso de Combate ao Racismo para Construção da Igualdade Racial promovido pela Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT). A atividade iniciou no dia (26) e aconteceu no Instituto Cajamar (SP). 30 dirigentes de todo o País participaram nesta primeira etapa.
Segundo a Secretária de Igualdade Racial da CNM/CUT, Christiane Aparecida dos Santos, o curso contribuiu para o fortalecimento do debate da questão racial nos sindicatos e federações. “É compromisso do movimento sindical lutar pela igualdade, mas, para isso, é necessária uma formação sólida sobre o tema que nos faça refletir sobre o que acontece no nosso dia a dia”, disse.
A dirigente reforçou a importância da criação do Coletivo Nacional de Igualdade Racial, que será formado no segundo módulo do curso, previsto para novembro.
Articulação
No ato de entrega dos certificados, o secretário de Juventude da CNM/CUT, Leandro Soares, falou sobre a importância da articulação entre as secretarias da Confederação. “Não podemos discutir ações individuais. Por isso, é o coletivo que faz a diferença na luta pelos nossos direitos. São temas que tem interface e nos unem para a mesma luta. A interação entre as secretarias de Mulher, de Juventude, da Igualdade Racial e de Formação da CNM/CUT é necessária para fortalecer o diálogo e as ações conjuntas com os sindicatos e federações”, falou.
1º Módulo
No primeiro módulo foram abordados temas como a contribuição dos africanos para o desenvolvimento humano universal, colonialismo e luta de classes, racismo no Brasil; a luta dos trabalhadores e a questão racial e desafios contemporâneos para a promoção da igualdade racial. Além disso, o curso contou com diversas dinâmicas para interação em grupo. Uma delas foi o teatro-fórum, que socializou entre os dirigentes as histórias de vida relacionadas ao racismo.
Racismo e religião
Ao longo da semana, as aulas ministradas por Deivison Knosi, sociólogo, pesquisador e professor de história da África, levantaram debates sobre temas polêmicos, como racismo e religiões africanas. “São assuntos incômodos, mas é uma forma de reconhecer a cultura negra do país. A turma debateu de maneira respeitosa, sem deixar de problematizar os temas. O grupo identificou facilmente que existe o preconceito no cotidiano contra essas religiões e contra negros”, contou.
Em prol da Luta
Para Núbia Dyana Ferreira de Freitas, do Sindicato dos Químicos de São Paulo, o mais interessante do curso foi reunir os diferentes ramos em prol da luta pela igualdade de raças. “Somos trabalhadores de meios diferentes, mas sofremos a mesma discriminação. O problema é igual e, por isso, a ação precisa ser comum. A união faz a força e a luta pertence a todos os trabalhadores”, disse.
Já Ervano da Silva Melo, do Sindicato dos Metalúrgicos de Manaus e diretor da CNM/CUT, destacou que o debate sobre igualdade racial é novo na sua base e precisa ser aprofundado. “É fundamental discutir o assunto para não disseminar o preconceito. Não podemos persistir em mitos que foram impostos pela sociedade branca. Saio do curso com o aprendizado de que é preciso entender a história para transmitir com mais clareza aos companheiros os assuntos que foram ensinados em aula”, relatou.
O dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Leopoldo (RS) Nelson Araújo Farias, destacou o contato com diferentes realidade regionais. “Percebi que o racismo é maquiado de maneira distinta em cada região. Independende do lugar, o problema é o mesmo e, por isso, precisamos pensar de maneira coletiva para diminuir e, posteriormente, erradicar esse mal”, avaliou.
Presenças
Alguns dirigentes e assessores da CNM/CUT marcaram presença durante o curso para saudar os participantes do curso. Na abertura, o presidente da CNM/CUT, Paulo Cayres, enfatizou a importância da história para aprofundar a consciência sobre a questão racial no país. “Não é uma atividade somente para negros. É um curso para aqueles que militam na área, para quem é contra o racismo e acredita que a sociedade não deva ter desigualdades. É uma discussão que precisa sair da sala de aula e ser repassada aos companheiros e companheiras que não tiveram a oportunidade de estar aqui”, comentou.
Mistura racial
Em seguida, foi a vez do presidente do Inspir (Instituto Sindical Interamericano pela Igualdade Racial), Ramatis Jacino, que fez um breve relato sobre as ações do Instituto. “O Brasil é uma mistura racial. A missão do Inspir é proporcionar conhecimentos aos dirigentes sindicais para a luta eficaz contra a discriminação, com ética, visão humana e social. Somos agentes multiplicadores que quer uma sociedade desenvolvida, justa e diversa”, salientou.

Ações da CUT
Em nome da secretária nacional de Combate ao Racismo da CUT, Maria Julia Reis Nogueira, a assessora da pasta, Leandra Perpétuo, participou do curso no último dia 29 e divulgou aos participantes as ações da Central em relação ao tema. “A secretária tem fomentado ações em relação à lei 10.639, que torna obrigatório o ensino da história africana no Brasil. Além disso, estamos debatendo o atendimento de saúde da população negra no SUS (Sistema Único de Saúde). É preciso discutir o negro na sociedade e, principalmente, em relação às políticas públicas”, finalizou.
Com informações de Shayane Servilha – assessoria CNM/CUT

Agência FEM-CUT/SP
Redação:imprensa@fem.org.br–jornalismo@midiaconsulte.com.br
Editora: Viviane Barbosa – Mtb 28121
Siga-nos: www.twitter.com/femcut

comentrios esto fechados.