Marcha das Mulheres Negras em São Paulo: Pelo Fim da Negligência e Violência do Estado! Homenagem do INSPIR às Mulheres Negras! “Mercado de trabalho desperdiça oportunidade por não dar as mesmas possibilidades para trabalhadores negros”, diz especialista Publicação INSPIR: 'A Negociação Coletiva de Cláusulas Relativas à Equidade Racial no Brasil' Racismo Faz Mal à Saude. Denuncie, Ligue 136! Campanha do INSPIR, ISP, CSA e SC-AFL-CIO para ratificação das Convenções A-68 e A-69 da OEA

RJ: Aluno é impedido de frequentar escola com guias de candomblé

RJ: Aluno é impedido de frequentar escola com guias de candomblé
03/09/201406h00
Carolina Mazzi
Do UOL, no Rio de Janeiro
Um estudante de 12 anos foi impedido de entrar na escola pública em que estudava por usar guias (colares) de candomblé no último dia 25 de agosto. O caso aconteceu na escola municipal Francisco Campos, no Rio de Janeiro, e foi divulgada nesta terça (2).
Segundo sua família, o menino já era vítima de preconceito há algum tempo — ele decidiu adotar a religião há cerca de dois meses. Há um mês, a diretora já impedia a entrada do aluno na escola conforme relato da mãe. Após o acontecido, ele trocou de escola. Após a denúncia, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, prometeu se encontrar pessoalmente com a mãe do garoto e o estudante para um pedido formal de desculpas.
Desde 2011, a rede municipal do Rio de Janeiro tem aulas de religião como parte do currículo. Em tese, as aulas abrangem diversas religiões, inclusive as afro-brasileiras.
Racismo e preconceito religioso
Para Silvany Eclênio, da Sepirr (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial), o caso é de discriminação racial, além de religiosa. “A escola está reproduzindo todo um sistema de valores e de práticas racistas, quando o papel dela deveria ser o de promover a diversidade étnica brasileira, a valorização desta diversidade e combater esse tipo de atitude de negação de direitos”, afirma.
“O ensino religioso no Estado e na cidade do Rio funciona como um catequizador que só aceita as religiões cristãs. E o ensino da cultura africana ainda é muito fraco, quase nulo”diz a professora Stela Guedes Caputo, da Faculdade de Educação da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro). “Além disso, temos uma bancada fundamentalista que defende apenas a sua religião, ao invés de defender os interesses de todos.”
A professora acredita que a divulgação de notícias como esta causam incômodo na população e são uma forma importante de levantar o debate sobre a realidade da cultura afro-brasileira. “Em nossas pesquisas, as crianças da religião do candomblé de escolas públicas são unânimes em dizer que todos os lugares discriminam, mas que a escola é a mais cruel”, afirma Stela.

comentrios esto fechados.