Marcha das Mulheres Negras em São Paulo: Pelo Fim da Negligência e Violência do Estado! Homenagem do INSPIR às Mulheres Negras! “Mercado de trabalho desperdiça oportunidade por não dar as mesmas possibilidades para trabalhadores negros”, diz especialista Publicação INSPIR: 'A Negociação Coletiva de Cláusulas Relativas à Equidade Racial no Brasil' Racismo Faz Mal à Saude. Denuncie, Ligue 136! Campanha do INSPIR, ISP, CSA e SC-AFL-CIO para ratificação das Convenções A-68 e A-69 da OEA

Sindicato dos Eletricitários de São Paulo na luta pela igualdade racial no Brasil

Sindicato dos Eletricitários de São Paulo na luta pela igualdade racial no Brasil
TER, 13 DE MAI/2014
FONTE: Assessoria de imprensa do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo
Fundado a partir da iniciativa da classe sindical, INSPIR completa 19 anos de contribuição pela paridade de direitos dos negros no país
Grandes nomes ilustram a grande contribuição do negro na história do Brasil, presente não somente no trabalho duro, mas na construção literária e intelectual da cultura brasileira, nomes como Lima Barreto, Luiz Gama, José do Patrocínio, Castro Alves, são alguns dos grandes exemplos. Ao longo destes 126 anos, apesar da constante luta, ainda somos mais de 77% da população brasileira (pardos e negros), vivendo em condições, ainda aquém do desejado em termos de igualdade.

No caminho da igualdade, a CLT possibilitou que a grande maioria de trabalhadores principalmente os negros, tivessem a mesma condição de se organização e foram aptos a disputar de modo paritário pela ocupação dos postos de trabalho, sendo representado na organização social de trabalhadores, a dos Sindicatos das Categorias Funcionais.

Já nos anos 90, o Brasil não reconhecia a existência de racismo na população, apesar de ser signatário na Conferência Mundial sobre Racismo e Xenofobia, um dos eventos da ONU. Com a total consciência do problema de raça e gênero no país, a organização dos trabalhadores, formada pela união dos sindicatos e centrais sindicais, decidiram naquele período, criar uma entidade que agregasse todas as centrais de trabalhadores para estudar tratativas que favorecessem a condição paritárias para os negros brasileiros.

A partir dessa iniciativa, em 1995 surgiu o INSPIR (Instituto Sindical Interamericano pela Igualdade Racial), com a participação direta e ativa do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo, que em estudo com os institutos brasileiros de pesquisa e estatística, desenvolveu um trabalho que foi apresentado ao então, presidente da república, Fernando Henrique Cardoso, que reconheceu oficialmente o Brasil como um país racista.

Com a garra e a determinação do movimento sindical, O INSPIR desde de sua criação, tem a finalidade de desenvolver politicas de igualdade de oportunidades, na educação, moradia, formação intelectual e laboral, saúde, entre outros direitos. Apesar da constante luta, ainda somos mais de 77% da população brasileira (pardos e negros), vivendo em condições ainda aquém do realmente é necessário em termos de igualdade.

“O Sindicato acredita que ainda há muito para avançar. Precisamos intensificar a luta em prol da igualdade de oportunidades para progredirmos em busca de uma sociedade cada vez mais consciente, justa e livre do preconceito”, afirma Celso Luis de Souza, presidente do STIEESP.

comentrios esto fechados.